30 de abril de 2013

Maio chegando...






Maio dos noivos e das novenas
Maio dos lírios e dos missais
Maio das virgens, brancas e serenas
Maio dos sonhos, que não vem mais

Céus estrelados, doces luares
Beijos de aroma pelos rosais
Maio dos noivos que se vão aos pares
Num terno e doce enlevo
De almas tão iguais.

Bater de asas por sobre os mares
Sonhos de poeta, mãos divinais
Doces saudades dos meus cismares,
Num mês de maio, que não volta mais. 
(Nelson de Campos)





Homenageando minha mãe no mês de Maria





29 de abril de 2013

DIA INTERNACIONAL DA DANÇA


                 
                 " Se você dançasse eu só dançaria com você."














DOIS MONSTROS DA MPB - por João Bitu


Homenagem  póstuma a PAULO VANZOLINN I (Autor)  e NORA NEY  (Intérprete),  em IMPOSSÍVEL ESQUECER - RONDA

28 de abril de 2013

E por falar em saudade...





Falar de saudade é lugar comum no mundo de Fafá, isso não quer dizer que vivo em função do que passou. A gente lembra com carinho de tudo porque foi um aprendizado muito válido mas nada de achar que sou extremamente saudosista. Claro, tenho saudade dos que partiram, lamento alguns que  insistem em ficar mesmo não valendo grande coisa, lembro com carinho da minha infância em Várzea Alegre, a juventude em Fortaleza, a faculdade, os 25 anos no CENTRO DE LÍNGUAS - IMPARH. Há sempre muito a se lembrar. Cada momento é uma flor cuja raiz é o coração. Impossível não sentir saudade quando se tem um bom coração.



27 de abril de 2013

MULHER DE PERSONALIDADE!

                            Fafá:
                 Sei o quanto sua personalidade é constante, por isso, vi nessa frase,
algo parecido com o perfume das flores. Espero que seus propósitos e suas res-
ponsabilidades não atrapalhem essa forte personalidade que lhe é característica.
                 Um abraço e um final de semana SUPIMPA!
                             Fideralina.

Fafá, Fatinha, Fátima






 Fafá, Fatinha, Fátima, é como chamam a filha de SEU ZÉ BITU E VICENTINA da rua MAJOR JOAQUIM ALVES, a fervorosa devota de Nossa Senhora de Fátima, a menina da monareta que não aceitou ser conduzida a vida inteira..... foi à luta e alcançou seus objetivos, hoje professora de francês aposentada, tradutora, enfim uma pequena menina à espera dos 60 anos.




Oração da Serenidade




Concedei-me, SENHOR, 
SERENIDADE para aceitar as coisas que não posso mudar, CORAGEM para mudar aquela que posso e 
SABEDORIA para distinguir umas das outras.




26 de abril de 2013

NÃO ENTENDO, NÃO ENTENDO -´Postado por João Bitu




 

Pelas ruas da cidade
Andava um louco dizendo
Com toda sinceridade
Não entendo, não entendo! ...

Se alguém lhe perguntava
O que não entendeis?
Erguia a face  já calva
Respondia com altivez

Donzelas são sempre puras
Casadas procedem bem
Viúvas são criaturas
Que não dão o que é seu a ninguém

No entanto os hospitais
De crianças vão se enchendo
Quem fabrica essas tais?
Não entendo, não entendo!


(AUTOR IGNORADO)
 
IMPOSSÍVEL ESQUECER
OS OLHINHOS DO MENINO
 
Luiz Viera
 
 

 

 

 

25 de abril de 2013

A ORAÇÃO DOS CINCO DEDOS

 Vocês conheciam a oração dos cinco dedos?  

O autor é o Papa Francisco (quando era bispo da Argentina).  Preciosa: 

1. O dedo polegar é o que fica mais perto de você. Portanto comece rezando pelos que estão mais unidos a você. São os mais fáceis de recordar. Orar pelos que amamos é uma doce tarefa. 

2. O seguinte é o dedo indicador. Reze pelos que ensinam, instruem e curam. Eles necessitam de apoio e sabedoria para conduzir os outros na direção correta. Mantenha-os em suas orações. 

3. O próximo dedo é o mais alto. Nos lembra de nossos líderes, dos governantes, dos que têm autoridade. Eles necessitam da direção divina.

 4. A seguir vem o dedo anular. Surpreendentemente é o nosso dedo mais fraco. Ele nos lembra de rezar pelos mais fracos, enfermos e atormentados por problemas. Eles precisam de suas orações.

 5. E finalmente temos nosso dedinho, o menor de todos. O dedo mínimo deveria recordar de rezar por você mesmo,  o menor de todos.

 Quando você tiver terminado de rezar pelos quatro primeiros grupos, as suas próprias necessidades aparecerão em uma perspectiva correta e você estará preparado para orar por si mesmo de uma maneira mais efetiva.
(Uma colaboração da amiga Fideralina)





24 de abril de 2013

MENSAGEM.

Fafá:
Olhe tudo com olhos de bondade e alegria!
O mundo está cheio de Luz Divina!

Esta mensagem substitue o comentário do seu tema: O VALOR DO SORRISO.

Fideralina.

O Valor do Sorriso





Um sorriso nada custa, mas vale muito , muito
Enriquece quem o ganha e quem o da não fica pobre
Dura apenas um instante , mas pode na lembrança
Durar eternamente.
Ninguém é rico assim que possa desprezar
Nem é tão miserável que possa recusar
Traz ao lar felicidade, nos negócios é esteio
E é a prova mais palpável de uma profunda
AMIZADE
Um sorrida repouso a quem se acha cansado e
Quem está desanimado dá nova força e coragem
Consola na tristeza, e em todas as nossas penas é o
Mais caseiro remédio.
Ninguém o compra, nem empresta, nem o rouba pois Só vale no instante em que o damos livremente
E se um dia encontrardes quem vos negue seu sorriso
Dá-lhe generoso o vosso, pois ninguém precisa tanto
Do conforto de um sorriso como aquele pobrezinho
Que fechado em si, sozinho não
Aprendeu á dá-lo.





ÊXODO - Por João Bitu



FUI PARA O RIO DE JANEIRO
Na década de cinqüenta
Como mero aventureiro
Seguindo o rumo da venta
À procura de emprego.
Deixei o que tinha apego
A família muito atenta
                                               
Levava comigo um sonho
Raça e pouco dinheiro
Para enfrentar o estranho
Só tinha a fé por inteiro
Não fui a outrem indicado
Nem tampouco apontado
Era um calouro bisonho

Enfrentei filas diversas
Desenganos e maldades
Muitas falsas promessas
Mentiras e crueldades
Sofri discriminações
Passei muitas decepções
Sem dó e sem piedades

                                              
Graças a minha conduta
Muito esforço e coragem
Disposição impoluta
Alcancei boa vantagem
Consegui ser Bancário
Com um sofrível salário
Alterei a triste imagem

Conhecer Rio de Janeiro
É um privilégio incomum
O Carnaval brasileiro
Não tem similar algum
Encantei-me com tudo ali
A Marquês de Sapucaí
Não é uma coisa comum

Tem Botafogo e Flamengo
Onde o granfina reside
Tem Bangu e Realengo
Também bairros da elite
Pão de Açúcar e Corcovado
[São Clemente e São Conrado]
Que são  também um convite.

Belas praias de Ipanema
Desde o Leme à Copacabana
Coisa mesmo de Cinema
Descanso aos fins de semana
Como é linda a Zona Sul
Sob um lindo Céu azul
Onde só há mulher bacana

A Igreja da Candelária
Entre outras belezas mil
Tem sua frente contrária
À Central do Brasil
Outra notável beleza
Onde converge com inteireza
Toda a malha ferroviária

Não muito longe do Centro
O Maracanã bem grandão
E no Engenho de Dentro
O majestoso Engenhão
A pouca coisa se compara
O Estado da Guanabara
É repleto de diversão

A Cidade Maravilhosa
Tem tudo para se ver
Oferece vida gostosa
Cheia de amor e prazer
Sempre belíssima está
 Mas em meu amado Ceará
É muito melhor se viver.

Assim se passaram dez anos
Separado de meus idos
Entre glórias e desenganos
Taciturno e retraído
Lá estive, vi e venci
Contudo jamais esqueci
Dos meus amigos queridos.

Mas as coisas do coração
São assim mesmo bem sei
Ninguém faz alteração.
Assim como não fez o Rei,
Não seria eu o primeiro.
FUI AO RIO DE JANEIRO
PARA FICAR E NÃO FIQUEI!.


João Bitu
IMPOSSÌVEL ESQUECER
LUAR DE PAQUETÁ
Orlando Silva
Reprisei esta POESIA com o própósito único de dedicar ao meu amigo VICENTE ALMEIDA esta música inesquecível de ORLANDO SILVA

ARRASTA UMA CADEIRA - Por Vicente Almeida

video

Esta vai direto para João Bitu, com um abração do Vicente Almeida

24/04/2013

22 de abril de 2013

UM ABRAÇO, AMIGOS - por João Bitu


 
Relí  Dr Sávio e Mundim
Poetas e prosadores
Que escreveram primores
Em “pé-quebrado”

Tive um ciúme danado
Os versos são bem urdidos
Bem feitos e divertidos
Demais

Seus intuitos são iguais
Insultar mutuamente
Numa discussão decente, e
Honrosa

É uma belíssima prosa
Em tom de brincadeira
Em que esbanjam verdadeira
Cultura

Toda ela é uma mistura
De agressão construtiva
Sem perderem a esportiva
Jamais

É uma página a mai
De riqueza em poesia
Apreciar eu queria
Rever

Outras tantas conhecer
Assim desta natureza
Com requinte e beleza
À beça

Mas já chega de conversa
O meu parecer foi dado
Sinto-me já contemplado, e
Muito.

 
João Bitu

IMPOSSÍVEL ESQUECER
AMIGO
Roberto Carlos



                                                                      

21 de abril de 2013

Homenagem a Luiz Gonzaga



Pense N´eu

Pense n'eu quando em vez coração
Pense n'eu vez em quando
Onde estou, onde estarei
Se sorrindo ou se chorando
Se sorrindo ou se chorando
Pense n'eu... vez em quando
Pense n'eu... vez em quando(bis)

Tô na estrada, tô sorrindo apaixonado
Pela gente e pelo povo do meu país
Tô feliz pois apesar do sofrimento(olêlê)
Vejo um mundo de alegria bem na raiz(vamos lá)
Alegria muita paz e esperança
Na esperança de fazer tudo melhor(e será)
Felicidade o meu nome é união
E povo unido é beleza mais maior.

Link: http://www.vagalume.com.br/luiz-gonzaga/pense-neu.html#ixzz2R6zJlBEO








Retrato fiel de boas amizades



Essa postagem é o retrato fiel da forte afetividade que sempre houve entre as meninas de Seu João Bilé e os BITUS. A calçada da RUA MAJOR JOAQUIM ALVES, O COITÉ...boas lembranças. A cidade cresceu, houve mudança de nome dos logradouros e colégios mas não há quem possa destruir as verdadeiras amizades que lá ficaram. 


Descrevendo a foto:


: Mocinha sentada ( saudosa memória), Socorro, Cleide. Tonha e Margarida. Essa foto é muito significativa. Valeu,, irmã




20 de abril de 2013

Bom Caminho



                              O único caminho que leva à bondade é o caminho do AMOR.






  A amizade é como essa rosa que só pede para ser cultivada.












19 de abril de 2013

A Lição da Borboleta


Um dia, uma pequena abertura apareceu num casulo. Um homem sentou e observou a borboleta por várias horas, conforme ela se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daquele pequeno buraco.

Então pareceu que ela havia parado de fazer qualquer progresso. Parecia que ela tinha ido o mais longe que podia, e não conseguia ir mais.

O homem então decidiu ajudar a borboleta: ele pegou uma tesoura e cortou o restante do casulo. A borboleta então saiu facilmente. Mas seu corpo estava murcho, era pequeno e tinha as asas amassadas. O homem continuou a observá-la, porque ele esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abrissem e esticassem para serem capazes de suportar o corpo que iria se afirmar a tempo.

Nada aconteceu! Na verdade, a borboleta passou o resto de sua vida rastejando com um corpo murcho e asas encolhidas. Ela nunca foi capaz de voar. O que o homem, em sua gentileza e vontade de ajudar não compreendia, era que o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura era o modo pelo qual Deus fazia com que o fluido do corpo da borboleta fosse para as suas asas, de forma que ela estaria pronta para voar uma vez que estivesse livre do casulo.
Algumas vezes, o esforço é justamente o que precisamos em nossa vida. Se Deus nos permitisse passar através de nossas vidas sem quaisquer obstáculos, ele nos deixaria aleijados. Nós não iríamos ser tão fortes como poderíamos ter sido. Nós nunca poderíamos voar.

“Eu pedi forças… e Deus deu-me dificuldades para fazer-me forte.
Eu pedi sabedoria… e Deus deu-me problemas para resolver.
Eu pedi prosperidade… e Deus deu-me cérebro e músculos para trabalhar.
Eu pedi coragem… e Deus deu-me obstáculos para superar.
Eu pedi amor… e Deus deu-me pessoas com problemas para ajudar.
Eu pedi favores… e Deus deu-me oportunidades.
Eu não recebi nada do que pedi… mas eu recebi tudo de que precisava.”







Uma bela colaboração do amigo Carlos Airton

18 de abril de 2013

Relembrando a prima Baía




Baía,

Hoje seria seu aniversário, desde cedo estou lembrando,  mas quero deixar no blog lembranças de bons momentos nossos e foram tantos!

Você casou cedo e foi morar no Jatobá. Não esqueço nunca: sua casa era em frente à casa de Nenem, sua única irmã.

Minha prima, você tinha tudo para ser feliz, e foi uma mulher determinada, decidida, não havia a palavra dificuldade no seu dicionário.

Adorava suas visitas lá em casa, sentava para ouvir e dar boas risadas.

Quando os filhos cresceram você foi morar no Juazeiro. Nunca deixou de trabalhar, de ajudar a tantos que voce amava. Sempre dava um jeito de ir até Várzea Alegre nos visitar, depois ia até as Carnaúbas/ Jatobá arrumar o que estava pendente por lá...

Quero lembrar de uma resposta sua quando falei um dia: Baía, faz tempo que mamãe partiu mas eu sinto a presença dela em todo lugar. E você prontamente respondeu: "Tomara que mamãe não invente de me seguir. Eu ando tanto, sou tão ocupada"!

Sei que a BITUZADA vai gostar desse "post" e com certeza vai aparecer muita história sua.

Por enquanto deixo gravada minha eterna lembrança de uma mulher guerreira que foi muito amada pelos seus pais Padrinho Chiquinho e Tia Isa, sua irmã Nenem, seu esposo Chico de Ismael, seus filhos, netos e bisnetos.

Descansa em paz, Baía!

17 de abril de 2013

Casas da Rua Adolfo Campelo



Está fazendo 41 anos que conheci Fortaleza: e eu me transporto para o bairro de Jacarecanga que me recebeu de braços abertos mais exatamente na Rua Adolfo Campelo onde morava meu irmão João Bitu... conquistei uma turma maravilhosa que festejava Santo Antônio( 13 de junho), São João(24 de junho) e São Pedro ( 29 de junho). Era a famosa quadrilha da Fafá Bitu que reunia seus irmãos, as namoradas e os amigos, o som partia exatamente da casa de número 26 onde morava a dona da quadrilha. Sua vizinha Dona Guiomar festejava também o aniversário de sua filha Andréa no dia 13 de junho com uma farta mesa de canjica, pamonha, paçoca, bolo de milho. manzapo, aluá, ao redor de uma fogueira que seu marido Aníbal preparava com muito carinho e atraía os moradores da região. Não era grande coisa, nada de roupa chique como as meninas ostentam hoje nas festas juninas. Começávamos os ensaios em 31 de maio, logo depois da Coroação de Nossa Senhora. Naquela época, íamos à missa nos domingos lá na Igreja dos Navegantes, em frente ao Corpo de Bombeiro, depois curtíamos a praia, sim, a famosa PRAIA DE JACARECANGA que hoje é proibida para banhista. Era uma programação intensa, no sábado íamos passear na Praça do Liceu onde havia uma feirinha e era ponto de encontro das paqueras e namoros. A gente podia ficar até mais tarde e voltávamos para casa em grupo, passando pelas casas antigas da Avenida Filomeno Gomes e Francisco Sá. Conhecíamos todos e éramos respeitados. Na madrugada de sexta havia a famosa serenata do Ernandes. O violão do Evilásio embalava nossas madrugadas e a voz do Cristiano nos acordava felizes.Quanto romantismo naquela época! Comemorávamos o DIA DOS NAMORADOS, sem muita ostentação, nada de shopping, tudo era concentrado no bairro de JACARECANGA onde curti a minha mocidade.
" As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas.Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que
aparecem em seus caminhos."
Foi o bairro de Jacarecanga que me acolheu em 1972 e que me traz até hoje as melhores recordações.
João, faz um certo tempo que escrevi esse texto mas sempre repriso pelo valor sentimental que ele tem. Hoje você homenageou a casa da ADOLFO CAMPELO e eu acrescento: naquele tempo a gente era feliz e não sabia. E foi você que me proporcionou tudo isso e tudo na Adolfo Campelo. Eu mereço a dedicatória e agora dedico esse comentário a você que fez uma bela homenagem a nossa querida ADOLFO CAMPELO. Parabéns!
Fafá

Cleide,

A foto me emocionou muito. Lembro que era a sua casa, a de Cícero, a nossa e a de João Bitu. Digo e repito: nesse tempo a gente podia sentar na calçada, ir à praia a pé mesmo, curtir a feirinha sem medo de assalto... é exatamente disso que sinto falta hoje.








A CASA DA ADOLFO CAMPELO - por João Bitu

A CASA DA ADOLFO CAMPELO

Confesso que ainda tenho saudade
Da casinha da Adolfo Campelo
Tudo nela era só simplicidade
Por absoluta falta de zelo.
Os seus cômodos eram apertados
OS  quartos  não eram nem  fechados ,
Mas por ela  eu tinha um certo desvelo

Essa casinha, coincidentemente
Trouxe-me  bons fluidos e muita sorte
Parei de beber definitivamente
Quando lá andava para a morte,
Entregue ao álcool, por ele já vencido
No meio das  más companhias metido
Tinha o  tal  vício como único esporte

Com ajuda de Deus comprei pela Caixa
Aquele humilde teto onde morava
Utilizando a minha rendinha baixa
Investindo primeira vez eu me achava
Com muita vontade e a muito custo
Aproveitando o preço que era justo
Livrei-me do aluguel que pagava

Foi palco de puro ressurgimento,
Deixei de ser alcoólatra inveterado,
Quando sucedeu em feliz momento
Um tratamento em grupo efetuado
No qual muita coisa boa eu aprendi
E para glória minha consegui
A primeira e grande promoção no Estado

Nasceu o nosso filho mais novo
Num imóvel ligado à mansãozinha
Em tudo houve um especial renovo
Para honra e felicidade minha
Sem pretender me fazer misterioso
E nem tão pouco superssticioso
Muito atribuo a doce e amada casinha

E é por isso que sempre quando recordo
De tais coincidências curiosas
Que sejam coincidências não concordo
Creio mais em dádiva milagrosa
Que do Céu para mim foi enviada
Pelo endereço da casa abençoada
Que abrigou minha alma venturosa

João Bitu



Esta poesia vai com endereço especial  para  FÁTIMA BITU que é identificada  com  o cenário e com os fatos que  deram origem à mesma e,  carinhosamente,  para a minha amiga FIDERALINA  que outro dia me perguntou:
 - Qual vai ser a próxima e eu lhe respondi  “DEUS PROVERÁ”.
João Bitu


IMPOSSIVEL ESQUECER
CABOLHA

Nelson Gonçalves










SOM E SAUDADE por João Bitu



                                                                IMPOSSÍVEL ESQUECER
                                                           CINCO LETRAS QUE CHORAM
                                                                        Francisco Alves
                                                     

Nossa amiga foi embora
Sua mesa está vazia
Não mais canta todo dia
Como o fazia outrora...
Das suas canções agora
Só ficaram recordações.
Não seduz mais corações
Nem desperta mais ciúmes
...Levou o doce perfume
Junto com suas canções!

Quando abria o seu som
Que não era à energia
Sua voz doce e macia
De teor limpo e bom
Nunca fugia do tom
A melodia era tal
Que exorcizava o mal
E suscitava o bem.
Largou tudo neste além
E foi cantar em Sobral!

Adeus Baby Viviane
Inquieta e sem medo,
Que jamais fez um segredo!
Que sua Mãe de si se ufane
E tudo o mais que se dane!
Nada pesa na balança,
Você é muito criança.
Habitando em qualquer local
Em Fortaleza ou Sobral
Não deixe as aulas de dança.

Quanta dor ficou na gente!
Desta amável companheira
Daquelas tardes fagueiras
Em final de expediente...
Suas canções eram quentes
Num compasso melhor do mundo.
Deixou-nos em um segundo
Para tristeza iminente.
Partiu daqui bem contente
E foi cantar pra RAIMUNDO!

Tinha a cabeça bem feita
Fazia boas amizades
E sem qualquer vaidade
Era uma moça perfeita...
Jamais fez uma desfeita
Dela nada se reclama
Nunca lhe subiu a fama
Guardava a mesma postura.
Estimo essa criatura
Mais que eu ninguém a ama!

João Bitu

16 de abril de 2013

Parabéns, amigo guerreiro! - por Fafá Bitu




Acompanho esse garoto/rapaz desde sua adolescência sendo um brilhante aluno de Francês.

Embora muito tímido, sempre se sobressaiu.

Percorríamos 4 quarteirões até chegar ao curso,  conversávamos  assuntos diversos. Na  sala de aula, éramos aluno e professor.

Terminou o curso brilhantemente e não mais nos encontramos como de costume, mas nunca perdemos o contato virtual. Ele conhece minha história como ninguém.

Quando ele começou a falar na cirurgia bariátrica me deu um frio na espinha porque um procedimento desse porte exige muita cautela, boa vontade, coragem, apoio dos familiares e dos amigos.

O que eu mais temia não aconteceu graças a Deus, porque Isac assim como eu, quando enfrenta uma causa ele vai fundo e geralmente vence.

Bom, nos falávamos quase todo dia pelo facebook, pelos nossos Blogs e eu procurava dar certa força sem encorajar muito porque sabia que tudo ia depender de sua resistência.

Hoje estou muito à vontade em parabenizar a equipe que cuidou do meu garoto querido com tanto carinho e mais ainda aos familiares e amigos que foram a força motriz.

Termino dedicando uma medalha de honra para meu ex-aluno e atual colaborador: Isac.

Você foi um herói e merece receber todas as honras que tem recebido. Sua vida a partir de agora tende a melhorar ainda mais.

Sempre falaram na sua turma que eu tinha certa preferência por você. Eu nunca liguei para isso, bobagem de quem não teve coragem de chegar perto de mim como você chegou.

Meu amigo, estou muito feliz pela força que você demonstrou em todos os momentos desde o pré, o durante e o depois.

Como professora ainda resta uma lição: continue se cuidando, agora só depende de você. A luta ainda não acabou. "NENHUM OBSTÁCULO É TÃO GRANDE SE SUA VONTADE DE VENCER FOR MAIOR". Somos vitoriosos por causa disso. Parabéns, amigo guerreiro!

Fátima Bitu

15 de abril de 2013

OS FILHOS E NETOS DE MARIA CLEIDE



Essa foto me lembra a chegada de papai, mamãe e Zezê  à Fortaleza.. Daqui de cima vi papai com esse quadro na mão, disse que não se separava nunca desses 4 meninos e hoje vejo com bastante nostalgia e um tanto de orgulho Emocionante!
Nas 3 fotos acima Cristiana e Eduardo, os mais novos, abaixo a doce Tânia Mara e logo depois Freitas Neto, o filho mais velho...


.

....eis agora os netos: Rodrigo, filho de Tãnia, Maria Eduarda e Yuri filhos de Eduardo, no centro Larissa e Letícia, filhas de Freitas Neto, abaixo Antonio Eduardo, o filho de Cristiana e o peralta  João Victor, filho de Tania Mara. Dedico esta postagem a minha querida e brava irmã  MARIA CLEIDE.