9 de junho de 2011

A Monareta de Fafá - por Mundim do Vale

A MONARETA DE FAFÁ
Hoje amanhecí lembrando
Do esforço da menina,
Pedalando, pedalando
Na calçada da uzina.
Descia da bicicleta,
Vía o jogo de peteca
De Tóia e de Fiderá.
Me lembro que eu parava,
Só pra vê quando passava
A MONARETA DE FAFÁ.

Me lembro dela passando
Com um esforço profundo
E logo depois chegando
No Colégio São Raimundo.
Lá guardava a condução
E recebia a lição
Da professora Dadá.
Retornava pedalando,
Com os colegas acompanhando
A MONARETA DE FAFÁ.

Eu ficava na esquina
Admirando a cidade,
Quando passava a menina
Com muita velocidade.
E eu alí com espanto,
Sem encontrar nenhum canto
Com um olho lá e outro cá.
Depois ía na capela,
Para olhar da janela
A MONARETA DE FAFÁ.

Eu achava extravagante
Aquela locomoção,
Vendo chegar o instante
Da garota ir ao chão.
Mas ela ia e voltava,
Ao local que estudava
Onde fez seu b.a.bá.
Nada a ela acontecia,
Porque Jesus conduzia
A MONARETA DE FAFÁ.

6 comentários:

  1. Essa postagem tem tudo para me agradar. O poema é pura obra e arte de Mundim do Vale. A minha foto foi tirada pela querida irmã Maria Cleide e a montagem foi feita pela boa amiga Fideralina. Lamentava sempre não ter uma foto na monareta, naquele tempo era tudo mais difícil, pois agora foi possível graças a essas 3 pessoas que estimo muito.
    Fafá Bitu

    ResponderExcluir
  2. Bela recordação, Mundim. Lembro demais da monareta da Fafá e da destreza dela pedalando.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Essa monareta, Paulinho, foi minha tábua de salvação. Pedalei tanto que minha perna não atrofiou. Aprontei muito em Várzea Alegre na minha MFB...É meu troféu.
    Fafá

    ResponderExcluir
  4. É um troféu mesmo. Parabéns pelo poema Mundim.
    Você, Fafá; merece ser homenageada, pois para mim, esse poema é uma HOMENAGEM!!!!!!

    ResponderExcluir